Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

Seja Bem Vindo!

 

"Ser buraqueiro é gostar da caatinga, da relva, da mulher rendeira e das coisas boas que se relacionam com o nordeste. Ser buraqueiro é compreender o semelhante de forma generosa, é gostar da terra em que nasceu. Ser buraqueiro é refletir a luz que envolve Aroaldo Santana" 

Por Joaquim Santana Neto

 

Presidente Artur da Costa e Silva (1967-1969).Presidente Artur da Costa e Silva (1967-1969). 

Governador Lourival BaptistaGovernador Lourival Baptista

 

Senador Leandro MacielSenador Leandro Maciel

 

Primeira torre de captação de água encanada para Porto da Folha.Primeira torre de captação de água encanada para Porto da Folha.

 

 

 

Gov. Lourival Baptista em Porto da FolhaGov. Lourival Baptista em Porto da Folha

 

 

Vereador João Batista da SilvaVereador João Batista da Silva

 

Desfile PM em 07/09 - Porto da FolhaDesfile PM em 07/09 - Porto da Folha

 

 

Antiga caixa d'água.Antiga caixa d'água.

 

 

     

Aroaldo Alves de SantanaAroaldo Alves de Santana

 

ADMINISTRAÇÃO AROALDO SANTANA

          Em 12/03/1967 ocorreu em Porto da Folha eleições municipais para prefeito e vereadores, cuja vitória para o cargo majoritário foi do generoso Aroaldo Alves de Santana (Arena) ao vencer o forte candidato do PSD, ex-prefeito Antônio Gonçalves Dórea. A presença maciça dos eleitores nos comícios não apontava outra probabilidade senão a vitória do sorridente baixinho, A vitória de Aroaldo contou com o apoio de alguns líderes políticos da ocasião, entre eles Antônio Pereira Feitosa na posição de vice, Menelvino de Farias, Manoel de Souza Lima e Antônio Pinto de Rezende.

          Para a câmara municipal foram eleitos os vereadores: Cícero de Farias Lima, Raimundo José Cardoso, José Fuípe, Antônio de Osório e João Batista da Silva.

          De 1967 a 1970 Porto da Folha viveu a gloriosa fase da administração Aroaldo, que trouxe benefícios de grande valia para a cidade, destacando-se entre outros a eletrificação proveniente da usina de Paulo Afonso. Na oportunidade da inauguração o ilustre governador Lourival Baptista, eleito no ano anterior pelo mesmo partido, esteve presente com sua comitiva para abrilhantar a festa e transformar Porto da Folha em Capital durante três dias. O povo portofolhense presenciou em 20/08/1967, pela primeira vez, a cidade iluminada por completo. Ficou constatada nesta solenidade a presença maciça dos moradores da zona rural e visitantes de diversos locais, ocasião em que o Aroaldo providenciou a maior churrascada já vista até o momento na localidade, para isso teve que deslocar de Aracaju um profissional cozinheiro, que coordenou o tempero dos molhos e demais iguarias. No pátio do Grupo Escolar Cel. Maynard Gomes foi montada uma enorme churrasqueira numa valeta aberta no chão. Enquanto o cheiro tomava conta do ambiente, a garotada ficava a observar o movimento dos profissionais no preparo da deliciosa iguaria. Logo mais, deliciosos pratos começaram a ser distribuídos ali mesmo no pátio escolar, posteriormente a distribuição se espalhou pela cidade. Neste mesmo dia, ao anoitecer na Praça da Matriz, o ilustre governador acionou uma chave e a cidade ficou totalmente clara, parecendo estar sob a luz do dia para quem nunca tinha visto tamanha incandescência.  Há que diga que esta foi a maior de todas as comemorações ocorridas em Porto da Folha. Presidente do Brasil nestes idos: Artur da Costa e Silva; Governador de Sergipe: Lourival Baptista (1966-1970).

          Posteriormente, na mesma gestão, ocorreu a inauguração da água encanada do rio São Francisco, dia 12/10/1970, fato que veio eliminar a aflição da comunidade quanto ao abastecimento d’água e saneamento, amenizando assim o sofrimento dos animais de carga.

          Ainda no bojo das conquistas de Aroaldo constam: a construção e inauguração, em 1970, do Ginásio Gr. Lourival Baptista; construção parcial do GEM José Xavier de Melo; construção do GEM Manoel Jovito de Santana no povoado Lagoa da Volta; construção da primeira Banca de Peixes local; restauração do calçamento das ruas Dr. João Lima, Gouveia Lima e Praça Caio Feitosa; reconstrução da estrada que liga a Sede ao povoado Niterói, em face do hospital local se achar parcialmente desativado, reduzindo assim o trajeto entre Porto da Folha e Pão de Açúcar, visto que a maioria dos enfermos era levada para lá e sofria durante o longo trajeto que passava próximo a cidade de Monte Alegre. No gerenciamento de Aroaldo ainda tivemos a recuperação da velha estrada da serra ligando a Sede à Ilha do Ouro; construção do Mercado de Lagoa do Rancho; construção e inauguração da agência do Banese e incentivo à instalação da agência do Banco do Brasil, cuja estrutura inicial teve início na fase final do mandato. Enfim, a gestão Aroaldo Santana caracterizou-se como a mais evolucionária do século.

          É injusto negar a Aroaldo a posição de um dos fundadores da Festa do Vaqueiro de Porto da Folha, pois a primeira festa aconteceu em 1969, ano em que o prefeito apoiou plenamente a iniciativa dos freis Angelino e Juvenal.

          Festivamente findou em janeiro de 1971 a mais notável administração que o relator deste teve conhecimento.  Aroaldo passou o cargo para seu vice, recém-eleito Antônio Pereira Feitosa.

          Em retribuição ao excelente currículo e generosidade, os sergipanos o elegeu em 15/11/1986 deputado estadual, obtendo ele esplêndida votação na cidade natal e Aracaju, sendo também votado nos 65 municípios dos 74 existentes em Sergipe na ocasião.

Aroaldo Alves de Santana nasceu em Porto da Folha aos 22/10/1925, filho de Manoel Jovito de Santana e Isabel Maria de Santana. Antes de ingressar na política foi comerciante, funcionário público e tabelião do primeiro ofício de Porto da Folha.

          Ser buraqueiro é gostar da caatinga, da relva, da mulher rendeira e das coisas boas que se relacionam com o nordeste. Ser buraqueiro é compreender o semelhante de forma generosa, é gostar da terra em que nasceu. Ser buraqueiro é refletir a luz que envolve Aroaldo Santana. 

Por Joaquim Santana Neto