Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

Seja Bem Vindo!

 

Presidente Emílio Garrastazu Médice (1969-1974).Presidente Emílio Garrastazu Médice (1969-1974). 

Governador Paulo Barreto de Menezes (1971-1975).Governador Paulo Barreto de Menezes (1971-1975). 

  

 

Governador Paulo Barreto de MenezesGovernador Paulo Barreto de Menezes

 

Manoel de Souza LimaManoel de Souza Lima

  

Vereador João TistinhaVereador João Tistinha

 

 

Antônio Pereira FeitosaAntônio Pereira Feitosa

 

ADMINISTRAÇÃO AMTÔNIO PEREIRA FEITOSA

          Em 15/11/1970 ocorreram em Sergipe eleições diretas para senador, deputados federais e estaduais, prefeitos e vereadores. Em Porto da Folha concorreram ao cargo de prefeito: Antônio Pereira Feitosa (Arena), José Alves Aragão (PSD), Ranulfo de Souza Rito (MDB-1) e Manoel de Souza Rito (MDB-2), cujo resultado confirmou a vitória de Antônio Pereira Feitosa.

          O legislativo local se renovou com os seguintes vereadores: Adilson Vieira de Aragão, Francisco Alves Lima, João Batista da Silva, José Alves Pereira, José Luís de Souza, José Pereira Valença e José Vieira da Silva. 

          De janeiro de 1971 a janeiro de 1973 a Prefeitura de Porto da Folha ficou a cargo do novo líde Antônio de Caio, tendo como vice o Sr. Manoel de Souza Lima. O período desta gestão coincide integralmente com a fase inicial de Paulo Barreto de Menezes (1971-1975) na governança de Sergipe. Nota-se que a durabilidade deste mandato de prefeito foi muito curta, cuja abreviação se deu pelo fato de ter entrado em vigor o efeito da Lei Federal 5782 de 06/06/1972 imposta pelo Presidente Emílio Garrastazu Médici (1969-1974), a qual veio modificar as normas que eram favoráveis ao bipartidarismo ocasional, antecipando as eleições municipais para o dia 15 de novembro deste mesmo ano de 1972 em todo o país.

          Nesta gestão, Porto da Folha contou com a manutenção e limpeza de ruas e praças da cidade e povoações. Apesar do encolhimento do mandato, a gestão foi considerada satisfatória pela comunidade. 

          

Por Joaquim Santana Neto