Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

Seja Bem Vindo!

 

Frei Petrônio CardosoFrei Petrônio Cardoso

 Frei Petrônio Cardoso

 

           José Cardoso é o nome de batismo de Frei Petrônio Cardoso, nascido em Porto da Folha aos 16/02/1925, filho de Francisco de Sá Cardoso e Maria Josefa Cardoso.

          Trajetória: em 1941 deixou a terra natal e ingressou na Escola Professor Gumercindo em Propriá. No ano seguinte, com o conterrâneo José Magno Leão Brasil, juntou-se ao seminarista franciscano Frei Angelino no Colégio Seráfico de Santo Antônio de Ipuarana, em Lagoa Seca/PB, vindo a concluir em 1946 o segundo grau, ingressando em seguida na Ordem de São Francisco passando a chamar-se Frei Petrônio Cardoso Ofm. Fez o noviciado nos conventos de Pesqueira e de Serinhaém/PE. A profissão simples foi realizada aos 08/12/1947 em Serinhaém e seguiu para Olinda a fim de estudar filosofia, posteriormente estudou teologia em Salvador/BA.

          A Ordenação Sacerdotal de Frei Petrônio foi concluída na cidade de Penedo/AL pelo bispo daquela diocese, Dom Felício da Cunha Vasconcelos em 21/12/1952. Na condição de “padre simples” fez o último ano de Teologia trabalhando em algumas capelas em Salvador. Em 1954 foi transferido para o convento de Itajuípe/BA e assume a primeira paróquia, a de Coaraci/BA, posteriormente foi para Salvador a fim de suprir uma lacuna. Em 1958 chega ao convento de Nossa Senhora do Rosário, em João Pessoa/PB e passa a trabalhar nas capelas da praia, prolongando-se nesta atividade até 1961quando foi transferido para o Convento de São Francisco, de Campina Grande/PB, permanecendo por sete anos nos cargos de Guardião do Convento e pároco da Paróquia de São Francisco. De 1967 a 1970 esteve no Convento de São Francisco de Olinda/PE na atividade de vigário da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima no bairro Novo; retorna a Campina Grande em 1970 sendo novamente guardião e pároco da Paróquia de São Francisco até 1976, quando é transferido para o Convento de São Francisco do Conde, onde passa a residir, trabalhando como vigário do Santuário Candeias (BA), permanecendo nesta atividade até 1982, entre 1982 e 1985 permanece em Campo Formoso/BA como Guardião do Convento, sendo transferido neste ano para o Convento do Recife/PE onde permanece até 1991sendo o guardião do convento e vigário da Paróquia de São Sebastião, sendo transferido neste ano para o antigo Convento de Nossa Senhora dos Anjos, de Penedo/AL, vindo a assumir a Paróquia de Igreja Nova. Em 1994, Frei Petrônio é nomeado novo Guardião deste Convento. Cumprido seu tempo em 2000, na cidade de Penedo, Frei Petrônio volta pela terceira vez para o Convento de Campina Grande/PB no cargo de Guardião, sendo vigário da Paróquia de São Francisco até 2006, e Capelão de São Judas Tadeu até 2007, assumindo a seguir a Paróquia de São Francisco. Por decisão do Capítulo de 2009, Frei Petrônio foi transferido para a Casa de Retiro de Salvador/BA, onde permanece.

          Em reconhecimento a dedicação de Frei Petrônio no desempenho de importantes funções religiosas, a comunidade portofolhense o reconhece como Notável cidadão. 

 

Obs.: A abreviada biografia foi transcrita do livro “Porto da Folha – Fragmentos da História e Esboços Biográficos, páginas 373, 374 e 375”, de Manoel Alves de Souza.

 

 

 

 

Igreja Matriz de Porto da FolhaIgreja Matriz de Porto da Folha

 

  

  

Igreja e Convento de São Francisco - Salvador/BAIgreja e Convento de São Francisco - Salvador/BA

 

  

Convento São Francisco - Campina Grande/PBConvento São Francisco - Campina Grande/PB

 

  

Casa de Retiro - Salvador/BACasa de Retiro - Salvador/BA

 

 

Frei HonórioFrei Honório

Frei Honório Rito de Leão Brasil

          Antônio Rito Brasil (nome de batismo) nasceu em Porto da Folha dia 02/08/1926, filho de Antônio Rito de Melo e Maria da Conceição de Jesus.

          Em sua infância vivida na terra natal estudou com a professora Donana, posteriormente com a professora Raquel. A princípio, Antônio Rito gostava de frequentar salões de dança, na fase que também tocava violino e órgão na igreja matriz. Através do demorado convencimento do pai (homem muito benquisto em Porto da Folha) seguiu para o Seminário de Ipuarana, em Lagoa Seca/PB, com os seminaristas José Pereira Feitosa (Frei Angelino), José Cardoso (Frei Petrônio) e José Magno, o seu único irmão, que saiu do seminário ao final do 2º grau e tornou-se alto funcionário do Banco do Brasil.

          No Seminário lhe foi administrado o Curso Intensivo por terem observado nele alto grau de inteligência, assim, em três anos ele cumpriu satisfatoriamente os currículos do 1º e do 2º graus, concluindo esses estudos em 1946, e iniciando neste mesmo ano o Noviciado no Convento de Pesqueira/PE, passando a chamar-se Frei Honório Rito de Leão Brasil, (Ofm).

          Em 1948 iniciou os estudos de Filosofia, no antigo Convento de São Francisco de Olinda/PE. A profissão solene ocorreu dia 08/12/1950 no Convento de São Francisco de Salvador/BA, onde realizou o curso de Teologia, concluindo-o em 1953, no entanto, ao concluir o penúltimo ano do curso de Teologia, Frei Honório foi ordenado em 21/12/1952, aos 26 anos de idade, no Convento Nossa Senhora dos Anjos, de Penedo/AL.

          Concluídos os estudos superiores e já ordenado Sacerdote, foi enviado para dar aulas no Seminário de Ipuarana, mas não demorou nesta atividade. Em 1956, a Província o encaminhou para Europa, a fim de fazer pós-graduação (Mestrado e Doutorado) em Teologia, no Pontifício Ateneu Antoniano de Roma. Concluídos estes estudos, defendeu a tese de Doutorado em Teologia, na Alemanha, no dia 27/11/1962, obtendo a nota 9,5, com a menção “Summa cum laude”, tendo sido confirmado Doutor em Teologia no dia 12/09/1963.

          Ao retornar ao Brasil, foi designado Professor de Teologia Dogmática no Curso de Teologia, no Convento São Francisco em Salvador/BA, para os clérigos franciscanos.  Depois passou a ministrar a disciplina, simultaneamente, no Instituto de Teologia da Universidade Católica da Bahia, do qual foi um dos fundadores e vice-diretor por várias vezes. Sua importância como ministrador de aulas ficou registrada no Convento de Salvador e também na Universidade Católica da Bahia. Como professor foi bastante exigente, mas também muito compreensivo e estimulador de seus alunos.

          Frei Honório ainda deixou uma vasta obra escrita, principalmente sob forma de artigos publicados em revistas especializadas no Brasil e na Europa. Pelo conjunto de sua obra, foi considerado por alguns o maior teólogo do Brasil. Além do magistério superior, de sua produção intelectual e de suas atividades sacerdotais, Frei Honório, embora humilde e tímido, teve uma destacada trajetória na Ordem Franciscana da Província de Santo Antônio, que engloba a maior parte dos estados do Nordeste do Brasil e uma pequena parte da Alemanha. A importância deste ilustre portofolhense também ficou registrada no setor literário.

          Frei Honório não gozava de boa saúde, ainda jovem foi atacado por uma tuberculose pulmonar que se expandiu e, posteriormente, foi diagnosticado portador de um câncer no estômago. Em 04/10/1999 veio a falecer na Casa do Retiro de São Francisco em Salvador/BA.

Obs.: Texto extraído do livro “Porto da Folha – Fragmentos da História e Esboços Biográficos”, págs. 221 a 225; de Manoel Alves de Souza. Maiores detalhes a respeito do notável portofolhense estão na citada obra.