Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

Sua visita ajuda a manter nosso site!

Seja Bem Vindo. 

Ai Chico Chico!

Considero que esta nova redução e mais outras vindouras deixarão o baixo São Francisco quase seco.

Um golpe! Um chute no saco dos ribeiros deste trecho abandonado.

Infelizmente não vejo incentivo nenhum no que se refere à revitalização do rio, o pobre rio já em apuros.

 

MAIS PREJUÍZO PARA O BAIXO SÃO FRANCISCO

 

A Chesf informa que o Ibama concedeu, no último dia 26 de setembro, a autorização para realização de testes visando à redução gradual da vazão de água liberada pelas Usinas de Sobradinho (BA) e Xingó (SE), de 800 metros cúbicos por segundo (m³/s)  para 700 m³/s.

No momento, a Companhia e o Ibama estão interagindo sobre os novos condicionantes propostos pelo órgão de meio ambiente para que se inicie a eventual nova vazão, ainda sem data prevista. A Chesf aguarda, também, a autorização da Agência Nacional de Águas – ANA.

O objetivo da medida de reduzir a vazão é garantir o uso múltiplo das águas do Rio São Francisco no Nordeste, com prioridade no abastecimento humano e na produção de alimentos, tendo em vista o esvaziamento que vem sofrendo o Reservatório de Sobradinho, o maior da Região, em decorrência das condições hídricas críticas dos últimos cinco anos. No momento, esse reservatório tem recebido, em média, 400 m³/s de água e está liberando o dobro.

O diretor de Operação da Chesf, João Henrique Franklin, afirmou que a Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco está vivenciando a maior estiagem já registrada e, portanto, a prioridade na utilização dos recursos hídricos não é a geração de energia elétrica.

"A Chesf já vem informando aos usuários sobre a possível redução da vazão do Rio São Francisco, para que possam se adequar a essa condição hídrica, que exige um esforço de todos, poupando água para não faltar", declarou o diretor.

João Henrique Franklin afirmou que a redução da vazão não afetará o abastecimento de energia elétrica. "Temos como importar energia de outras regiões, por meio do Sistema Interligado Nacional – SIN, além de outras fontes de geração no Nordeste, como eólica e térmica", declarou.

 

Fonte: Chesf